Sabemos dar e expressar amor?

Em 16/08/2017 , Comments

Uma cena linda e tocante

Há algum tempo atrás, presenciei uma cena que me emocionou muito, fazendo com que meus olhos se enchessem de lágrimas. Não! Não era uma cena triste.  Era uma linda cena. Tocante. Uma rara expressão de amor entre membros de uma família em lugar público.

A cena foi mais ou menos assim: eu estava estacionando o carro, quando percebi uma mulher de seus 40 e poucos anos ajudando, com todo o cuidado, uma pessoa mais velha a descer do carro. Deduzi que eram mãe e filha, pois eram muito parecidas. A suposta filha, vigilante, observava o trânsito e apoiava a senhora para descer do carro. Após, foram andando juntas, com os braços entrelaçados. A filha amparava a mãe a cada passo, rumo a uma galeria comercial. Na entrada existe um pequeno degrau, onde a filha prontamente se certificou se a mãe teria como passar aquele difícil obstáculo.  Mais uma vez ofereceu apoio para que desse tudo certo. 

Notei que a filha estava totalmente voltada aos cuidados de sua mãe, uma pessoa de idade avançada, ainda que esta me parecesse muito saudável. Mas o detalhe que mais me chamou a atenção foi quando a filha parou e notou que o cabelo da mãe estava um pouco desalinhado devido ao vento. Paradas, a mãe recebia a atenção para garantir que entraria alinhada naquele ambiente. 

Essa cena poderia não ter me chamado atenção, já que estou acostumado a presenciar a minha esposa tratando a sua mãe desta forma. Mas, de qualquer forma, me tocou.

 

 

Por que uma cena assim toca o coração? 

Poucas vezes vemos, ainda mais na rua, em público, membros de uma mesma família expressando amor entre si. Não sei quando foi que perdemos esse gesto gentil e amoroso.

Quando ficamos independentes, então, não queremos mais os pais por perto. Nos afastamos deles por uma causa que não sabemos. Em algum momento da história das famílias e da vida particular perdemos o sentido para a gentileza e respeito com os mais velhos. Não digo que sejam todas as pessoas, mas destaco como um comportamento coletivo, que me parece que vem aumentando. 

Seja como for, quando acontece uma larga distância dos nossos pais que, quando chegamos à vida adulta, lá pelos 40, 50, 60 anos, pouco sabemos dar carinho e expressar amor.

 

 

As armadilhas e os derivados do amor

Colecionamos muitas situações desagradáveis que podem se tornar armadilhas para nos afastar do amor. Mas, se não é possível demonstrar carinho e amor aos nossos, então, que se abra uma brecha para negociar conosco mesmo que, enquanto não for possível demonstrar um grande amor, se use um dos seus derivados, como a gentileza, a atenção, o respeito e alguns minutos de dedicação. 

Isto, com certeza, fará um mundo melhor, pois trará paz ao coração dos filhos e dos netos, que verão seus pais dando exemplo de como se trata e se convive com seres humanos.

 

 

O que fica para refletir 

A reflexão que fica é o que cada um de nós pode fazer para expressar um pouco mais a gratidão e/ou gentileza para com os membros da família, pois nem sempre os vemos. Mas, quando tivermos a oportunidade de estarmos juntos, façamos algo que demonstre que o amor existe. Ou pratica-se aqui os derivados do amor, para um dia expressarmos um amor adulto, sem culpar ninguém e tampouco exigir o que os outros não podem nos dar. 

O mundo mudará, quando as famílias se estruturarem melhor. Felizmente, isso já está acontecendo, devido a um dos caminhos mais reveladores: a Constelação Familiar e de Negócios. Sinto, vejo e ouço depoimentos de muitas pessoas que se abrem para ajudar e receber ajuda, para que a força das nossas raízes (pais, avós e outros ancestrais) cheguem até nós, com suas flores e frutos.

Mas, e você? Conhece esse caminho que acabo de citar? Tenho sentido na pele e na alma os efeitos desse caminho na vida de milhares de pessoas.

Desejo que o seu coração esteja e permaneça na paz gentil e alegre do amor!