Pai, Mãe? Vocês estão aí?

Em 07/02/2018 , Comments

Trabalho, trabalho e mais trabalho!

Muitos pais se dedicam bastante ao trabalho, de modo que possam proporcionar as melhores condições para os filhos. Entretanto, os filhos entendem essa ação como sendo falta de atenção, carinho e/ou amor. Ou seja, exigem a presença dos pais.

 

 

A exigência da presença dos pais

Esses filhos, segundo Bert Hellinger, são arrogantes em exigir a presença dos pais, ainda mais se já têm certa idade. Ou seja, uma exigência vinda de uma criança é correta, mas de filhos maiores, já adolescentes, por exemplo, já não cabe. Há uma “manha” e as consequências podem ser as mais variadas.

 

 

Vamos crescer?

Mas conforme os filhos crescem, a seu tempo, entram na ‘vida adulta’ e experimentam na própria pele as regras do cotidiano, os limites das pessoas e os próprios, assim como as dificuldades inerentes da vida. E crescem!

 

 

Agora entendo!

Crescidos, já adultos, trabalhando e tendo os próprios filhos, os filhos compreendem que aquela ausência era/é necessária e não havia/há uma outra maneira de os pais darem as condições de vida e de crescimento aos filhos.

 

 

Mas ainda sou criança!

Todavia, ainda observamos filhos já adultos, maduros, reivindicando, como se crianças fossem, deixando claro que a dor infantil ainda persiste e que não foi curada. Assim, quando esses “adultos-crianças” tem dificuldades na vida, insucessos pessoais e/ou profissionais, culpam os pais pela infância fácil, mas sem amor.

 

 

As vítimas

Assim, os “adultos-crianças” tornam-se as vítimas e uma infância fácil e sem amor. Aqui, em verdade, estão evitando tornarem-se adultos, assim como carregar todas as reponsabilidades.

 

 

Tire as fraldas!

Para deixarmos de ser “adultos-crianças”, precisamos olhar nossos pais como pessoas normais, homem e mulher! Eles não são super-heróis! Tenha gratidão pela vida que eles lhe deram e pela infância que você teve. Seja apenas o(a) filho(a) diante dos pais, obedecendo a lei da hierarquia, e deixe de julgá-los ou dizer o que eles têm que fazer! Apenas seja filho(a).

 

Francisco Eschiletti | Tutor em Constelação Familiar | Instituto Nelson Teston