Esse lugar não é meu!

Em 28/08/2017 , Comments

A fábula

Era uma vez uma bicicleta e, num belo dia, o pedal olhou para a roda da frente e pensou: "se eu estivesse no lugar dela, estaria na frente de tudo, eu lideraria a bicicleta toda!".Não tardou muito para que o pedal chamasse a roda para uma conversa.

 

- Ei, roda da frente? 

- Eu? - Respondeu a roda da frente

- Sim. Você! Você que está aí na frente, sempre feliz, escolhendo os caminhos, sempre na frente e eu aqui, sempre atrás, fazendo força, sempre carregando peso e sempre no mesmo lugar.

- Pedal! Eu também estou sempre no mesmo lugar, mas toda a bicicleta está andando junta. Estamos todos juntos! Parece que estamos no mesmo lugar, mas nós estamos andando!

 

Bem, os argumentos da roda não fizeram com que o pedal desistisse do seu sonho de tomar o lugar dela. Até que um dia ele conseguiu: desbancou a roda da frente, se desvencilhou das correntes e foi para a frente. Exatamente como queria!

Então, o pedal tentou fazer com que a bicicleta andasse, mas ela não saiu do lugar. Ele se sentiu desapontado e sem jeito. Virou-se para a roda da frente, que estava, agora, no lugar dele e disse:

 

- Roda?! Por que você não retoma o seu lugar? Acho que as coisas não estão andando!

 

A roda respondeu:

 

- Mas pedal, eu não posso tomar o lugar onde já há outro! Você tomou o lugar que era meu e, de todo o jeito, cada um tem o seu lugar!

 

O pedal, por um instante, refletiu:

 

-"Se eu ficar aqui na frente, pensando que este é o meu lugar, o mais importante de todos, a bicicleta não andará! Nossa "família bicicleta" ficará parada! Cada um tem o seu lugar, o seu jeito e seu papel! Como não percebi isto antes!!"

 

Deste modo, o pedal desistiu daquele lugar. Voltou ao seu, assim como a roda, e a bicicleta voltou a andar. Todos juntos.

 

 

A moral da história

Com esta pequena fábula, quero mostrar que cada pessoa, pertencente a uma família ou a um grupo, tem o seu lugar. Mas, muitas vezes, almejamos ser o que o outro é, copiar as coisas que os outros fazem. Quando fazemos isso, acabamos perdendo tempo e travamos a nossa vida. Com este esforço desnecessário, acabamos por não fazer o que nos pertence, desperdiçamos nossos talentos e possibilidades tentando ser um outro alguém. Nada mais acontece.

Assim, devemos entender que no nosso sistema familiar ou do grupo, nós temos o nosso lugar, somos importantes, por algum motivo pertencemos à esta família, completamos algo no grupo com nosso nascimento e existência.

Cada um, no e do seu lugar, conquista coisas, desenvolvendo-se e crescendo, fazendo da melhor forma possível o que lhe cabe.

Então, tudo anda e assim é na sua família, no seu grupo ou na sua empresa. A vida funciona assim!