Agradeça pelo que é e onde está

Em 28/03/2018 , Comments

A preparação

Você deve se lembrar! Desde de pequeno, sempre dizemos “eu, quando crescer, vou ser isso ou vou ser aquilo”. Depois, já mudamos de ideia, porque o amigo está fazendo tal coisa ou porque a tia disse que tal outra coisa “dá mais dinheiro”. Mas o essencial aqui é percebermos que durante quase toda a vida estamos nos preparando para algo: assumir o nosso próprio lugar.

 

Estudos

Pense em quantos cursos você já fez. Inclua a escola, o cursinho, os treinamentos na empresa, os grupos de estudo, aquele curso ‘chato’ que você foi obrigado a fazer etc. Veja tudo isso de outra forma: nenhum desses estudos estavam/estão na sua jornada por nada! E se algo maior, acima de nós – muito acima – sabe, de alguma forma, exatamente o que precisamos aprender e repassar?

 

Aparente caminho errado

Com todos esses cursos e aprendizados, quantas vezes nos perguntamos se estamos no caminho certo ou se tudo o que fizemos até agora não foi exatamente o que queríamos realizar? Perceba que não há caminhos errados. Há caminhos que seguimos, que acabam e outros iniciam. E quantos problemas produzimos quando um caminho acaba: “Era tão bom, tão certo! O que farei sem isso? ” Nesse caso, o sofrimento se inicia.

 

Não tenho mais nada!

“E agora! Estou frustrado, o dinheiro acabou, estou ficando doente, ansioso, nervoso. Preciso voltar ao que era! Parece que tudo que fiz não serviu de nada! ”  Agora pense nessas frases. Talvez estejamos insistindo em algo, um ciclo, que já deu o que tinha que dar! Estamos insistindo com algo velho e não o deixando ir. Ou, por outro lado, não estaríamos sofrendo por não nos darmos conta sobre o aprendizado desse suposto “bom caminho”? Se for essa a razão, aprenda, assimile e abandone essa jornada. Mais à frente, ele pode voltar. Diferente.

 

Eu entendi!

Então, abandonamos o caminho e começamos a vê-lo com uma outra percepção. Começamos a entender tudo pelo aprendizado que tivemos, pela assimilação dos fatos! Assim, agradecemos pelas boas coisas que tivemos e conquistamos ao longo da jornada: os conhecimentos adquiridos, o dinheiro que ganhamos e as pessoas que apareceram (umas ficam, outras não). Viramos para trás e avistamos nosso pai, nossa mãe que, do jeito deles, nos levaram até onde chegamos. Ou vemos um parente, um amigo, ex-companheira (o) que nos abriram portas ou nos deram boas dicas para estarmos onde estamos. Até mesmo um mestre, um sacerdote, que iluminou nossa mente nas horas ruins. A todos, sem exceção, devemos agradecer e tê-los no coração.

 

A viagem segue

E, assim, com o aprendizado, a experiência e a gratidão seguimos a nossa viagem, porque os caminhos aparecem e se fazem por eles mesmos. Interagimos com o que aparece nesses caminhos, trazendo dos outros a alegria, a perseverança, o discernimento, a leveza e o compromisso. Isso precisa estar claro em nossa mente. Caso não esteja, há alguma coisa não resolvida: mágoas, ressentimentos, culpa... E se todas essas coisas não forem alinhadas e solucionadas, todos os caminhos, todas as jornadas, serão de insucesso!

 

A chave

Em verdade, a chave não é uma só! A primeira, para termos o sucesso na nossa carreira, trilhar uma atividade que nos satisfaça, é estarmos resolvidos com a nossa mãe. Sem mágoas, ressentimentos e aceitando-a com ela é/foi. A mãe é a chave do sucesso! A outra chave, é a gratidão. Mas não aquele ‘obrigado superficial’, do sorriso forçado! Não! É aquela gratidão profunda, de quem percebeu quantas e quantas vezes deixou de lembrar ou desprezou as inúmeras situações onde, por algum motivo, não agradeceu as ajudas e os empurrões para seguir.

 

Reconhecendo

Assim, é necessário que reconheçamos o valor daquelas pessoas que nos ajudaram, que andaram ao nosso lado, quer sejam os pais, os amigos ou aquele (a) namorado (a). Sejamos gratos, também, aos empregos pelos quais passamos e às situações das quais participamos. Tudo e todos contribuíram para o que sabemos hoje, para a nossa experiência de vida!

 

Mas...

Se não conseguirmos ser gratos, não nos culpemos. A ingratidão e o esquecimento são uma característica do ser humano. Mas devemos nos esforçar e olhar para o caminho trilhado até aqui, do jeito que conseguimos caminhar, agradecendo a tudo e a todos que estiveram junto conosco. Agradeçamos e sigamos por novos infinitos caminhos, novas experiências, novos aprendizados. A vida sempre nos traz coisas novas!

 

 

Francisco Eschiletti | Tutor em Constelação Familiar | Instituto Nelson Teston