Família, família...

Em 07/03/2018 , Comments

Esse não é o meu lugar!!

Dentro de um sistema familiar, a confusão, os emaranhamentos, acontecem quando os membros da família estão em papéis que não são os seus. Ou seja, um pai e uma mãe precisam ser pai, mãe e cônjuges, assim como filhos precisam ser somente filhos. E, muitas vezes, estes filhos assumem papéis de pai ou mãe, complicando a vida familiar. Fora quando pais querem interferir na vida dos filhos já na idade adulta ou irmãos mais novos assumindo a “chefia” dos outros irmãos! O pertencimento e a hierarquia são quebrados e resulta em uma convivência turbulenta.

 

Maestro! Ordem, por favor!

Essa convivência turbulenta está intimamente ligada ao emaranhamento, quando o amor não flui pelos membros da família. Ou seja, há membros que estão ligados a situações acontecidas em gerações passadas e que não conseguem viver a sua própria vida, o seu próprio destino. E assim, o sistema familiar recebe as distorções de comportamento, as cobranças, as culpas, vitimizações etc. E, sem dúvida alguma, todas as famílias funcionam assim! A ordem precisa ser reestabelecida pela aplicação da lei do pertencimento e da hierarquia, o que, de fato, não é fácil em uma dinâmica familiar acostumada com relacionamentos difíceis.

 

Assumindo o seu quinhão

Para que o fluxo do amor seja reestabelecido na família, todos precisam estar cientes das partes que lhes cabem e das suas responsabilidades. Em outras palavras, não culpar os outros membros da família, vivos ou mortos. Desse modo, precisamos assumir o que é nosso, sermos responsáveis pela própria felicidade.

 

Nos seus lugares!

A família se inicia pelo casal pai e mãe e, depois, vêm os filhos. Aqui, em relação aos filhos, estes já devem estar profundamente agradecidos pela vida que receberam desses pais, mesmo que a relação entre pai/mãe e filhos não seja/tenha sido boa. Filhos que guardam mágoas ou raiva dos pais sofrem e estão desperdiçando toda a energia amorosa que poderia ser canalizada para as próprias vidas, para a criação dos seus filhos.

 

Entendendo o pais

Quando nos damos conta de que estamos julgando nossos pais, colocando-os como super-heróis que deveriam suprir todas as nossas necessidades e “manhas”, esquecendo que eles fizeram o melhor que poderiam ter feito, dentro das suas capacidades, encontramos a liberdade e acolhemos as coisas como foram. Entretanto, os pais também precisam perceber que não podem mais interferir na vida dos filhos adultos. Não estou dizendo que os pais devam esquecer os filhos. Em verdade, na idade adulta, os filhos devem “se virar sozinhos” usando tudo que os pais passaram a eles. Os filhos devem entender que a felicidade deles não está atrelada aos pais. E se estiver, haverá cobranças e este sentimento acaba sendo transferido aos filhos dos filhos.

 

E os irmãos, como ficam?

Irmãos são iguais entre si. Não pode haver cobranças entre eles e o mais velho tem, hierarquicamente, por ter vindo primeiro, um pouquinho mais de autoridade que, na idade adulta, se torna praticamente inexistente. Entre irmãos não devem haver interferências e caso estas ocorram, certamente estamos vendo um emaranhamento e a desordem.

 

Simplicidade

As leis do pertencimento e da hierarquia são simples e lógicas. É importante, todavia, salientar que as utilizamos, isto é, as fazemos ser percebidas e reconhecidas, quando há questões psicoterapêuticas a resolver. Quando as relações familiares são saudáveis, dentro de cada dinâmica particular das famílias, essas leis se cumprem simplesmente ao natural.

 

No método da Constelação Familiar

Aqui, quando existem aquelas questões psicoterapêuticas para resolver, a percepção das leis, das suas atuações e o realinhamento com elas surtem resultados excepcionais, quando as pessoas buscam a terapia da Constelação Familiar. Assim, de uma maneira natural, as coisas vão se encaixando e o amor passa a fluir novamente, libertando todo o sistema familiar. Todos passam a conviver guiados pelo amor, sem culpas, cobranças ou apegos. Tenha uma relação familiar saudável, pois a família é o início de uma vida harmônica e equilibrada.