É alguma crença ou doutrina?

Em 28/02/2018 , Comments

Eu vi!

Mais uma vez voltamos ao assunto “o que é Constelação Familiar”. E por que voltamos? É que tenho visto em alguns comentários, mais precisamente no YouTube, onde sou moderador do canal Nelson Teston, onde algumas pessoas ainda confundem Constelação Familiar com alguma crença ou doutrina religiosa. Talvez pelo fato de que a Constelação lida com os antepassados do sistema familiar, com o respeito e honra pelos pais, ou porque acabamos repetindo comportamentos das pessoas que já não estão mais aqui ou porque precisamos aceitar a frase “foi como foi”. O que acontece é o de sempre: eu não sei o que ou como é, mas dou meu ‘veredicto’.

 

O que é, então?

Como já foi mostrado várias e várias vezes, a Constelação Familiar é um método terapêutico, aplicado, hoje, em vários lugares do mundo, codificado por Bert Hellinger. Este método terapêutico está intimamente ligado aos Campos Morfogenéticos, descobertos pelo biólogo Rupert Scheldrake (os campos morfogenéticos são a memória coletiva a qual recorre cada membro da espécie e para a qual cada um deles contribui). O objetivo do método de Constelação Familiar é solucionar questões problemáticas em várias áreas da vida como, por exemplo, na financeira, na de relacionamentos e na de trabalho. Ou seja, se existir algum “emaranhamento” de algum membro da atual geração com algum antepassado e que esteja afetando o fluir da vida daquele, aí entra a Constelação para desatar os nós.

 

Como é?

Em primeiro lugar, não há nada de ‘sobrenatural’ e nem técnicas de sugestão. O que, de fato, existe, é o campo familiar (morfogenético), onde o consulente, com seu tema para constelar, entra neste campo e é guiado pelo profissional constelador. Para o campo, podem ser chamadas outras pessoas, desconhecidas do consulente, para representarem membros de sua família. A informação acessada pelos participantes é a do campo familiar do consulente. Talvez daí venha aquela confusão com as crenças religiosas: como pessoas desconhecidas podem sentir e agir como as pessoas que não conhecem e que estão mortas? Aí, entra o campo morfogenético.

 

Mais além

Assim, não se trata de algum tipo de ritual ou coisa que o valha. É um processo fenomenológico, ancorado em pesquisas e teorias científicas, assim como na Filosofia. Se no método mostra que os antepassados influenciam as gerações atuais, inclusive os que já estão mortos, não implica ser alguma doutrina religiosa. São pessoas que viveram dentro do sistema familiar, com todas as suas cargas de informação e esta fica gravada no campo familiar. Quantas vezes alguém já disse a você ou a outro membro da sua família: “ Nossa, você faz exatamente como o seu avô fazia! ” Às vezes, a pessoa nem conheceu o avô!

 

A mágica!

Constelação Familiar lida com psicoterapia, com a ciência da fenomenologia e com informações reais trazidas pelo consulente. Assim, o consulente traz o seu tema, dito ao constelador sinteticamente, este coloca os representantes dentro de uma área delimitado como campo e os dois ficam observando o movimento e as reações dos participantes em relação ao tema. Passado algum tempo, o constelador percebe que se chegou à imagem da solução do tema do consulente. O terapeuta constelador pode dizer algumas frases sistêmicas para que a imagem seja firmemente guardada na alma do consulente, trazendo a este informações, não percebidas conscientemente, sobre a dinâmica atuante dentro do tema trazido e o caminho para a resolvê-lo. Esta é a mágica!

 

Mudando a percepção

Então, a Constelação traz outros níveis de compreensão das questões problemáticas que temos. E todos temos alguma. Mostra o que não conseguimos perceber conscientemente e que nos fazer agir de uma determinada maneira que afeta o fluir da vida. Faz com que recuperemos a força para seguir o nosso destino e não de algum outro antepassado. Voltamos a pertencer ao nosso lugar no sistema familiar. Diferencie-se: estude mais sobre o assunto.