Cada um no seu "quadrado"

Em 10/07/2017 , Comments

É com você, filho(a) mais velho(a)!

Geralmente, e ainda bastante comum, quando os pais estão, de alguma maneira, impossibilitados de "gerenciar" a família, um dos filhos, sempre o(a) mais velho(a),  assume a família ou se sente responsável por ela. 

E dentro desta reponsabilidade, este filho(a) mais velho(a) precisa fazer com que todos fiquem bem, ele(a) precisa que todos estejam bem e, assim sendo, acaba sofrendo quando algum membro da família não está bem. Essa é uma situação muito difícil de viver dentro de uma família.

 

Voltando um pouco no tempo

Mas vamos voltar um pouco no tempo e perceber que esta prática de os filhos mais velhos ajudarem a cuidar da casa era, e ainda é, usual. Mas o ponto a ser observado aqui é que estes não se dão conta de que tomam o papel, o lugar, do pai ou da mãe. Esse fato, a troca de lugares, acaba enfrequecendo estes filhos mais velhos. No início, parece que tudo está bem, parecem estar fortes. Mas, com o passar do tempo, eles querem sair deste lugar, mas não conseguem. A sensação de serem responsáveis está introjetada, está impregnada, nestes filhos.

 

Eu não sei o meu lugar!

Então, por mais que estes filhos tenham essa função, decidida pelos pais, eles continuam sendo apenas filhos e aí está o problema: quando uma pessoa não sabe o seu lugar no seu sistema familiar, ela fica se "debatendo", pois o campo morfogenético desta família exige que ela volte ao seu lugar de filho(a). Ou seja, a lei da hierarquia não esta sendo seguida.

A lei da hierarquia diz que os pais chegam primeiro do que os filhos e estes não podem tomar o lugar daqueles que vieram antes. Isto, por si só, já faz com aconteça um certo desgaste, um enfraquecimento, dentro da família.

Seguidamente, dentro das constelação que realizo, aparecem pessoas sem um rumo profissional, demasiadamente estressadas com suas responsabilidades e sem saber como lidar com isso. São pessoas que ocuparam ou ainda ocupam, inconscientemente, o "cargo" que é somente do pai ou da mãe.

Se você percebe que está dentro deste "emaranhamento", olhe para seu pai e para sua mãe e diga, mentalmente, que o lugar deles é o de pai e o de mãe, com suas resposabilidades agregadas. Do mesmo modo, olhe para seus irmão e fale que o seu lugar também é o de irmão. 

Fazendo assim, você se sentirá mais leve e tranquilo, pois você estará no lugar a que pertence, dentro do seu sistema famliar, e respeitando a lei da hierarquia.

 

Deixe o que é dos outro com os outros

Então, reflita sobre este assunto e perceba que não podemos controlar e que não somos responsáveis pelo destino de ninguém ou de como as pessoas fazem suas coisas.

Deixe o que é dos outro com os outros, com respeito (isto não muda o amor), e o que é seu, consigo mesmo. Ame cada um do seu lugar e faça o que é possível dentro do seu papel.

Tudo isso nos serve de alerta, quando fazemos coisas que não nos cabe fazer ou ocupamos lugares que não são nossos.